sexta-feira, 24 de abril de 2009

Novo livro de Pepetela - O Planalto e a Estepe

«Os olhos dele continham o céu Planalto. Na Huíla, Serra da chela, Dezembro, quando o azul mais fere. Nos olhos dela estavam gravadas suaves ondulações da estepe mongol. Tons sobre o castanho. Entremos primeiro no azul.

A minha vida se resume a uma larga e sinuosa curva para o amor.Começando por um caminho longo até Moscovo. Não vos contarei todos os detalhes dessa viagem. Houve outras, também importantes, houve mesmo muitas viagens. Mas essa primeira viagem em arco amplo e súbitos desvios demorou mais, começou na Huíla, Sul de Angola, quando fui parido.Nasci no meio de rochedos. A casa, porém, era de adobe. Casa de adobe com rochedos à volta. Título de quadro? Era muito duro fazer uma casa de pedra, como na aldeia de Trás-os-Montes onde o meu pai tinha nascido. A minha mãe era já de algumas gerações huilanas e nascera numa mais pequena que a nossa. Por isso se construiu a de adobe, quando casaram. Os dois, com a ajuda de um serviçal muíla, chamado Kanina, nome de soba grande, ergueram a moradia, usado o barro de uma baixa sempre húmida para fazerem blocos secos ao sol. Primeiro teve campim como cobertura. Depois chapas de zinco. Finalmente telhas.Houve progresso.Nasci na fase intermédia, das chapas de zinco. Nado capim tinha nascido a Olga, minha irmã mais velha. Depois, já na de telhas, nasceram o Zeca e o Rui, meus mais novos. Só eu tive direito, ao ser atirado para o mundo, a ouvir chuva batendo em chapas de zinco.»


Do encontro entre um estudante angolano e uma jovem mongol, nos anos 60, em Moscovo, nasce um amor proibido. Baseada em factos verídicos, ficcionados pelo autor, esta história põe em evidência a vacuidade de discursos ideológicos e palavras de ordem, que se revelam sem relação com a prática. Política internacional, guerra, solidariedade e amor, numa rota que liga um ponto perdido de África a outro da Ásia, passando pela Europa e até por Cuba. Uma viagem no tempo e no espaço, o de uma geração cansada de guerra num mundo cada vez mais pequeno. Maravilhoso e comovente, este é um romance sobre o triunfo do amor, contra todas as vontades e todas a fronteiras.


Sessão de leitura do novo romance de Pepetela – O Planalto e a Estepe –, na Livraria Pó dos Livros, na segunda-feira, dia 27 de Abril, às 18.30 horas.

17 comentários:

Nela disse...

Ah! O Pó dos Livros é aqui mesmo... o Papi vai lá estar?
Qué vê!

Guigo disse...

o teu pai vem cá? que fixe!
e tu não vens?

Loulou disse...

O papi vai lá estar, Manuela.

Beijocas grandes

Alda disse...

Muito sucesso para o livro do teu papi! Beijocas grandes para ti.

Lina Querubim disse...

Olá Loulou
mais um livrinho do Papi :) desejo sucesso para ele!
Beijokas e bom fim de semana

Cristina J. disse...

Parabéns ao papi da Rainha Lueji.

E á filhota, que deve estar orgulhosissima do papá.

Bjinhos grandes

de Bizet disse...

Parabéns ao Papi e à sua linda filhota.
Um abraço grande.
Carmen.

imel disse...

É hoje! Parabéns ao Papi que escreve tão bem.

E parabéns também porque tem uma filha maravilhosa!

Jokitas

Gigi disse...

O Jota está super entusiasmado com este novo livro, graças ao curso de que está a tirar, descobriu escritores talentosos como o Pepetela, Mia Couto, Luís Cardoso, Luandino Vieira etc.

Muito sucesso para o livro e beijocas grandes para ti.

Isa disse...

19 dias...tá quase...um beijinho

Nela disse...

Já tenho! Já tenho! Tenho o livro e tenho um autógrafo! Arrancado no meio da rua...

Lina Querubim disse...

Boa noite Loulou

A cagona da Gosma Mor andou a correr atrás do teu Pappy em plena rua... :-) que vergonha!!
Obrigou o Sr a dar-lhe um autografo enfiou na cabeça que queria, porque queria . E
o teu Pappy teve escrever em cima do capot dum carro :p que horror...ainda bem que não estava perto dela :) para não passar por estes momentos...

Beijinhos

Cristina J. disse...

Tou mesmo aver como ficou o capot do carro, eheheheh

Quando a Gosma diz "arrancado no meio da rua" deve estar a desdramatizar um pouco a coisa.
Ela deve ter mesmo atirado o pappy da Loulou para cima do carro, apontou-lhe o dedo ao nariz e ameaçou-o até ter o seu autógrafo, eheheheh

Acho que só por isto, o pai da Lou não vai escrever mais nada.

Jokas Loulou

laura disse...

*****

Parabéns pelo Livro.
Parabens pelo texto autibiográfico que é lindo!

Beijinhos,
laura

Lina Querubim disse...

Loulou Amiga...

Tu não me digas que as Gosmas disseram ao teu Pappy para me fazer uma homenagem na capa do livro?
É que elas são tão beras...chamam-me de Melga, Abelha, Moscardo, sei lá mais o quê...tenho sofrido Miga...nem imaginas...quando cá estavas isto repartido por todas não custava tanto agora sem ti aqui :p aiiiiiiiiiiiiii beijinhos isto foi um desabafo, volta Loulou...

Cristina J. disse...

Moscardo?!
Que falta de vergonha pá... eu desancava quem me chamasse isso, eheheheheh

Loulou, parece que andas um niquito nervosa é verdade? Nem parece teu rapariga.
Deixa-te de coisas, que o dia não custa nada, depois é que são elas!!!!

Bjinhos aos noivos

carla ervilha disse...

Ai, tenho de comprar! Um grande beijo, Loulouzita!